terça-feira, 20 de abril de 2010

Resposta ao Dr.Mário Soares


O Comentário do Antigo Presidente da Republica de Portugal, Mário Soares, de que Cabo Verde não deveria se ter tornado Independente e que deveria apenas se tornar um Território Autónomo de Portugal (tal como a Madeira e os Açores). Veio confirmar o que muito se pensou, quando este ilustre resolveu se candidatar com mais de 80 anos... Que a senilidade chegou? E há muito!?


A minha infância em Portugal, numa altura em Mário Soares, era Primeiro-Ministro ou Presidente da Républica, fez com que eu gostasse deste político, pelo simples facto de ambos partilharmos o mesmo apelido. Mas quando resolve, questionar a nossa independência... Nós que não possuímos rigorosamente mais nada, para além dos nossos recursos humanos e um escasso e pobre território descontinuo, mas mesmo assim vamos singrando na vida! E que contra todas as adversidades, conseguimos nos tornar um País credível, estável e em franca modernização e evolução. Que já atingiu o estatuto de PDM (Pais de Desenvolvimento Médio) inclusive, como é um exemplo para muitos outros países em matérias de boa governação, E-Goverment, Liberdade de Imprensa, etc.



Não sei, como alguém, que por razões óbvias, deveria ser detentor de bom senso, consegue afirmar algo tão ignóbil e isento de veracidade?



Porque que carga de água haveriamos de querer ser Portugueses de segunda ou terceira se podemos ser Cabo-Verdianos de Primeira e cidadãos do Mundo igualmente de Primeiríssima! (Não que eu ache que existam ou devam haver cidadãos de primeira ou de segunda, simplesmente e infelizmente porque o Mundo "ainda" funciona assim!)



Espero, realmente, que o Ilustríssimo ser e venerável criatura, que responde pomposamente por Dr. Mário Soares, não pense que nos iriamos vender, apenas por um Passaporte da UE! Eu pelo menos, vivi 13 anos em Portugal e fiz questão de nunca possuir outro Passaporte diferente do que eu sou... Cabo-Verdiano! E não me impediu de viajar por diferentes e remotos continentes, e onde que que vá, ostento com muito orgulho e especial prazer, este Passaporte que me torna uma pessoa rara no mundo. Pois num universo de quase seis biliões de pessoas no Mundo, herdei de meus pais e por nascimento, a nacionalidade de um Povo que nem sequer chega perto de 1 milhão no mundo. O que me torna uma pessoa rara e feliz!



E esse Povo, essa nacionalidade me fez apenas herdar histórias das quais me orgulho, com todas as forças do meu ser!



Pois quem nasce caboverdiano, não herdou o pesado histórico alemão, que todos os jovens alemães têm que carregar, de saber que tanto a sua nação como o seu povo, foram um Povo chacinador, cruel, homicida e genocida.



Meu caro, Mário Soares, quem nasce caboverdiano, não carrega o fardo de o seu povo ter reinventado a escravatura, ter espalhado uma fé pelo Mundo conhecido, apenas com a intenção de explorar os povos nativos. Pois a meu ver, quem nasce Português, carrega essa cruz, esse fardo atroz, a que vocês "os tugas" muito jubilosamente chamam de Expansão Marítima. Mas que afinal, foi apenas mais uma forma, um pretexto para massacrar outros povos, subjudando-os durante séculos, matando milhões em transportes transatlânticos no intuito de vender milhares. O reaparecimento da escravatura, já na idade média, o devemos... meu caro... Aos Portugueses!



Quem nasce nestas ilhas, não têm os mesmos problemas de consciência que um jovem suiço. Que sabe muito bem, que o capital que fundou os bancos que povoam o seu pequeno território, tem o sangue manchado do judeus assassinados pelos nazis. Que toda a nação suiça, recebeu dinheiro manchado de sangue de judeus, optando por fingir não ver, enquanto milhões de judeus eram roubados e chacinados. Daí a sua neutralidade...



Quem nasce Cabo-Verdiano, sabe que o seu povo e seus ascendentes, não dizimaram várias tribos e povos natívos, apenas para se apoderar das suas terras e riquezas. Tal como os norte-americanos, canadianos, espanhóis e ingleses fizeram.



Poderia sem que me faltassem argumentos, continuar a apontar inúmeras outras nacionalidades, as quais nenhuma apresenta, melhores fontes de prazer e orgulho (antes pelo contrário) tal como ser CABOVERDIANO representa para mim!



Pois meu caro, eu sou cabo-verdiano, e do meu Povo e nação, herdei uma história honrada, de um povo que luta muito contra fortes e árduas adversidades. Um Povo que em apenas em 35 anos de independência, já evoluiu mais do vários países o fizeram em centenas. Um povo que nunca mais conheceu epidemias de fome desde que se tornou independente.



Exmo. Sr. Dr. Mário Soares, o Passaporte que eu muito orgulhosamente carrego comigo nas minhas viagens, é o Passaporte que prova que eu pertenço a um Povo e uma nação, que em toda a sua História apenas tem motivos de orgulho.


Afinal o que realmente somos, é um povo que conduziu uma luta armada, frutiferamente à vitoria!

4 comentários:

Anónimo disse...

iiiii

Ivan Santos disse...

Palmas de pé, meu caro!!!

Pss disse...

Para ti Ivan, e para o Tey aqui vai uma pequena notícia que podem ser interessante.

"A emissão de passaportes cabo-verdianos poderá passar a ser feita de forma centralizada na Casa da Moeda em Portugal, com o objectivo de garantir um maior grau de segurança e fiabilidade ao documento de viagem, de acordo com os requisitos exigidos a partir do início deste mês, pela Organização Internacional da Aviação Civil - ICAO. A..."

Leiam tudo aqui

Ou seja para vocês tirarem o passaporte qualquer dia vão ter que ir á Lisboa.

Álvaro Ludgero Andrade disse...

Excelente, primo. Não mandes essa boquinha ao Mário Soares que ele bate o pé na hora.